Projeto de Panificação qualifica padarias de Salvador em 2016

Diagnóstico, execução de plano de melhorias e identificação de resultados são as três fases do projeto

12/04/2016

por Isabel Tavares (Agência Sebrae)

A baiana Sirliane Costa, proprietária da Panificadora Real, localizada em Salvador, foi uma das empresárias presentes no encontro de apresentação do Projeto de Panificação e Massas Alimentícias. Programa com o intuito de aprimorar e fortalecer o segmento no estado. O evento aconteceu na noite do dia 30, na Associação de Proprietários de Padarias da Bahia (APPB).

 

O projeto de panificação tem o objetivo de incentivar o avanço dos pequenos negócios do setor, por meio do novo método de atendimento coletivo do Sebrae, o Plano de Melhoria do Desempenho Empresarial (MEDE). “Esse processo é uma escada e o empresário passará por vários degraus. Primeiro será feito um diagnóstico da situação atual da empresa, depois executado o plano de melhorias com indicadores, e, ao final do ano, a identificação dos resultados”, explicou o consultor, Élvio Brasil. Ele evidenciou, ainda, que o trabalho só dará frutos se houver interação entre gestores, consultores, donos das panificadoras e colaboradores das mesmas.

 

Serão oferecidas 80 horas de consultoria, além da participação em eventos de acesso ao mercado e seminários. A empresária Sirliane afirmou que está sempre em busca de novos conhecimentos e decidiu procurar o Sebrae por já ter participado de outras soluções da instituição e ter identificado resultados positivos. “Principalmente nesse momento difícil na economia do país é importante buscar outras formas de atuação”, complementou. Em 2016, o diferencial do projeto de panificação será o subsídio de 70% pelo Sebrae em outras soluções que o empresário, que aderiu ao programa, deseje participar.

 

Dentro da iniciativa, a meta é atender 20 proprietários de panificadoras, como elucidou o gestor do projeto, Pedro Humbert. “Estamos começando com essa quantidade para disponibilizar um atendimento intensificado com o empresário, pois eles precisam ter interesse em aplicar cada ação em prol de resultados”.

 

A ação do Sebrae tem a parceria da Associação de Proprietários de Padarias da Bahia (APPB), Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), Instituto Tecnológico de Panificação e Confeitaria (ITPC) e Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria (Sindipan). “As padarias serão atualizadas de acordo com as exigências do mercado e do consumidor, aprimorando os nossos produtos para oferecer ao cliente o que temos de melhor”, acentuou o presidente da APPB, Edésio Duran.

 

Resultados do projeto em 2015

Em 2015, o projeto piloto beneficiou 13 panificadoras em Salvador. Uma delas foi a Marias Panificadoras. “No momento inicial, vi que não tinha controle de nada e essa foi a primeira chamada de atenção do consultor. A partir de então, passei a ver a empresa de outra forma e a falta de controle dos processos foi facilmente visualizada e corrigida”, detalhou empresária, Conceição Souza.

 

Uma das ações aplicadas no ano passado foi a Pesquisa de Qualificação do Pão Francês do ITPC, na qual o produto de 61 padarias de Salvador e Região Metropolitana foi analisado de acordo com a norma da ABNT 16.170. O resultado no estado foi apontado como regular (45%) e, apesar de ter se saído melhor do que de cidades como Brasília (43%) e Belo Horizonte (44,23%), o pãozinho baiano precisa melhorar.

 

 

“A melhoria do pão francês teve um impacto imediato, com o retorno positivo dos clientes, que elogiaram o produto, o que provocou o aumentando das vendas”, contou o empresário Luiz Souza, dono da padaria Hiperpão. Ele integrou o projeto em 2015 e já tem planos de desenvolver outras áreas, como o controle de custos, por meio da adesão este ano.